2020: um ano difícil, mas com uma bagagem enorme de mobilizações e motivos para se orgulhar

Luana Leal Greenpeace Brasil • 18 Dezembro 2020

Oie todes, como estão? 

Em 2020, nossos voluntários e voluntárias mostraram, mais do que nunca, que é possível. É possível ser junto mesmo que distante, engajar-se por causas relevantes de casa em segurança, apoiar uns aos outros e se reunir através de telas. 

Nossos grupos locais estiveram, mais uma vez, lado a lado conosco e nossas pautas, sempre defendendo o mundo que acreditamos e jamais se calando em situações de injustiça. Foram mais de 700 mobilizações idealizadas e protagonizadas por eles e elas, as vozes do Greenpeace. 

Apesar de tudo, foi um ano para se orgulhar do voluntariado. E para uma última dose de inspiração em 2020, vem ver como anda o clima natalino dos nossos voluntas: 

05/11 - Dia Internacional do Voluntariado 

Esta data importantíssima foi instituída pela ONU em 1985. É uma oportunidade muito especial para valorizarmos todos os tipos de voluntariado exercidos nas esferas da sociedade ao redor do mundo. 

"Voluntário" vem do latim voluntarius e significa aquele que age por vontade própria, uma vez que voluntas, também em latim, quer dizer vontade. 

Aqui no Green, nossos voluntários e voluntárias sabem bem o que é acreditar e lutar por um mundo melhor e possível. Em cada atividade, eles e elas sempre nos dão mais motivos para querer fazer parte de um movimento tão rico. 

E claro, nossos grupos locais mais uma vez deram um show de mobilização para parabenizar a todes pela devoção. Vem ver o reels produzido em conjunto:

 

12/12 - Aniversário do Acordo de Paris

Esse é um daqueles aniversários em que a gente não tem o que comemorar. O Acordo de Paris foi motivo de mobilização nas redes dos nossos grupos locais. Vem ver o que BH preparou: 

O Acordo de Paris é um compromisso feito entre 195 países durante a COP 21 (21° conferência das partes) que ocorreu no ano de 2015 em Paris, na França. Esse acordo surgiu com o intuito de substituir o Protocolo De Kyoto a partir de 2020. Além disso, marca um novo tipo de cooperação internacional que une países desenvolvidos e em desenvolvimento. Seu objetivo é diminuir a emissão de gases do efeito estufa, além de impedir que a temperatura média do planeta ultrapasse 1,5 °C nos próximos 100 anos, levando em consideração o direito de equidade, a pobreza e o desenvolvimento sustentável.   

Eis os principais pontos acordados:

•Limitar o aumento de temperatura a 1,5ºC;

•Recomendações quanto à adaptação dos países signatários às mudanças climáticas, em especial para os países menos desenvolvidos, de modo a reduzir a vulnerabilidade a eventos climáticos extremos;

•Estimular o suporte financeiro e tecnológico por parte dos países desenvolvidos, para ampliar as ações que levam ao cumprimento das metas para 2020 dos países menos desenvolvidos;

•Promover o desenvolvimento tecnológico, a transferência de tecnologia e a capacitação para adaptação às mudanças climáticas;

•Proporcionar a cooperação entre a sociedade civil, o setor privado, instituições financeiras, cidades, comunidades e povos indígenas para ampliar e fortalecer ações de mitigação do aquecimento global.

O Acordo marcou 5 anos de existência e nenhum país parece estar seguindo à risca os compromissos feitos, então que tal cobrarmos juntos de nossos governantes dedicação e ações mais responsáveis? 

07/12 - Projeto Escola apresenta: Crianças em contato com a natureza - a chave para a preservação <3

Por que as crianças são tão importantes para o processo de conservação da natureza? Já parou para pensar no impacto que a perda do contato com meio ambiente durante a infância pode causar tanto para as crianças quanto para a natureza? Qual é a importância das escolas com espaços naturais e dos pais nesse processo de aprendizagem?

Todas essas questões e outras interessantíssimas foram discutidas na live que rolou lá no canal do Conexão Verde do Youtube. 

As convidadas? Te conto já: 

  • Ana Carol Thomé: Pedagoga, professora, trabalhou em Escolas da Floresta, no Reino Unido, e pesquisa sobre Educação e Natureza pelo mundo. Acredita no poder da infância e que o mundo pode ser melhor. @sercriancaenatural
  • Rita Mendonça: Escritora, atua na Escola Schumacher Brasil e na Casa Tombada em diversos formatos de cursos. É representante da Sharing Nature Worldwide no Brasil. @rita__mendonca

Demais, né? Para você que perdeu, fique tranquilx! A conversa na íntegra está aqui <3

08/12 - Amazônia e mudanças climáticas: Desafios e perspectivas para 2021

O grupo de Recife convidou Fernanda Guerra, acadêmica em Gestão Ambiental e Música, educadora ambiental, radialista, e que comanda um programa sobre Meio Ambiente e Sustentabilidade, para um bate papo muito especial sobre o que podemos esperar para o cenário ambiental em 2021. A mediação ficou por conta da Maria Eduarda, Internacionalista, e uma de nossas voluntárias que também faz parte da equipe de Comunicação e Facilitação do Grupo Local de Voluntários do Greenpeace Recife.

 

 

E se você perdeu, é só clicar aqui para assistir a conversa gravada <3

 

15/12 - Racismo ambiental e o poder do ativismo 

Com os voluntários e voluntárias de Recife não tem tempo ruim nem desculpa para desacelerar as mobilizações. O grupo continua a topo vapor, mesmo no finalzinho do ano, e organizou mais uma live. Dessa vez a convidada foi Isvilaine da Silva Conceição, empreendedora socioambiental, ativista por justiça climática e Engenheira Ambiental. Além de ser fundadora do Ambientalking, plataforma de combate à injustiça climática por meio de informações que  reconectam pessoas e meio ambiente através do ecoturismo de histórias. 

O mediador foi o volunta Juverlam, mais conhecido como Juba. Ele é ativista, facilitador e voluntário do Projeto Árvoreser.

Muitas pessoas costumam dizer que Natal é época de esperança, solidariedade e compaixão. Mas, na prática, a quantidade de ações acaba sendo muito menor do que as de fala. E foi pensando nisso que o grupo de Brasília decidiu se unir ao Instituto NoSetor para fazer uma ação solidária neste final de ano.

O @nosetor foi criado com o intuito de ajudar a população de rua, que, ao contrário do que muitos dizem, não estão lá porque quer, e sim por alguma situação, seja expulsão de casa, desemprego, entre outros. Todos precisamos de comida, água potável, roupa para nos aquecermos, produtos de higiene e amor para viver.

Existem vários projetos legais para ajudar os moradores de rua. Mas esses projetos precisam de ajuda para se manter, precisam de doações.

E para chamar todes para contribuir, o grupo divulgou a lista de materiais para doar. <3

E não para por aí! Em Recife, os voluntas também estão se mobilizando por um fim de ano mais justo para todes. 

O Marco Temporal é um assunto que vem sendo muito debatido nos últimos tempos, e não é para menos, afinal, a medida, além de polêmica, desrespeita mais uma vez a existência e história de povos e terras indígenas brasileiras. O grupo de João Pessoa, ainda em formação, se posicionou sobre o assunto. Vem ver: 

O julgamento do caso Xokleng (Recurso Extraordinário n.º 1.017.365) foi adiado pelo STF, mas a luta contra a tese do Marco Temporal continua, pois embora ainda não haja previsão para ser julgado, o caso pode ser colocado em pauta em breve. 

A decisão desse processo de repercussão geral sobre o direito dos povos originários à terra servirá de parâmetro para a demarcação de todas as terras indígenas do Brasil. 

Diante disso, o Grupo de Voluntários do Greenpeace Jampa vem se manifestar contra essa tese que nega os direitos e a histórica vulnerabilidade dos povos indígenas ante às diversas violências que vêm sofrendo há séculos!

O grupo de Belo Horizonte aproveitou que o Acordo de Paris fez aniversário para falar sobre o tema na Greve pelo Clima de sexta! 

“Exigimos que os líderes mundiais se comprometam com políticas climáticas significativas. Não somente para o futuro e sim para o presente”, compartilhou o grupo. 

A bola e a campanha local da vez estão com Porto Alegre. O grupo, em parceria com a família escoteira de @renatocristianodasilveira, está tentando criar um santuário em São Leopoldo para proteger diversas espécies que vivem em um terreno abandonado. 

Para ajudar a causa, tem petição rolando! Vem :) 

Ah, e não deixe de conferir o vídeo que o grupo produziu e divulgou para falar sobre a relevância do projeto <3

Ei, você aí! Sabe o que é a COP e o porquê dela ser importante? 

Então vem que o grupo de Belo Horizonte te deixa por dentro de tudo! 

A COP (Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas) é uma conferência anual, geralmente com duração de dez dias, organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas). O evento tem como objetivo a discussão entre os Estados sobre as emissões de gases poluentes, visando evitar o agravamento das mudanças climáticas. É a autoridade máxima para a tomada de decisões em relação aos esforços para controlar a emissão dos gases agravantes do efeito estufa. 

Sua função? Basicamente é revisar o comprometimento dos países, analisar as emissões e discutir descobertas científicas sobre o tema. Esse encontro surgiu a partir da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida como Cúpula da Terra, que aconteceu no Rio de Janeiro em 1922. Hoje em dia já foram 25 edições da conferência, tendo sido a primeira em Berlim, Alemanha, no ano de 1995, onde posteriormente se deu origem ao protocolo de Kyoto. 

Participam da COP todos os 196 países membros que ratificaram ou aderiram à Convenção, que são divididos em três grupos principais:

•O Anexo I é formado pelos países desenvolvidos (tanto os capitalistas quanto os que eram comunistas e estão em economias de transição para o capitalismo). Estes são 41 países mais a União Europeia, que têm obrigação de reduzir a emissão de gases do efeito estufa;

•O Anexo II é composto pelos países que têm obrigação de financiar ações de redução de emissões e adaptação em países em desenvolvimento, e são os membros da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE) do Anexo I.

•O Não-Anexo I é o grupo composto pelos países em desenvolvimento. Para que ocorra um acordo final oficial, é necessário que ele seja aprovado unanimemente pelos participantes e seja um acordo vinculante, ou seja, tenha valor legal que vincule o cumprimento das metas com a legislação de cada país. 

E pra não terminar o ano sem falar de uma das maiores problemáticas ambientais de 2020, o grupo de Recife fez um post sobre grilagem. 

A grilagem tem se mantido na Amazônia ano a ano, com um incremento recente em terras não-designadas.

Precisamos preservar essas florestas para garantir que as chuvas continuem a alimentar o campo brasileiro e a geração de energia. Isso se dá com fiscalização eficiente e constante, além da destinação dessas áreas para conservação.

Em 2020, nós não tivemos a oportunidade de ir ao cinema, mas ele veio até nós toda semana através da sessão verde dos nossos grupos locais. Para encerrarmos o ano com chave de ouro e informações sobre as florestas na ponta da língua, o grupo de Recife indicou o filme “Amazônia Eterna”. Aqui tem o trailer <3 


 

Estamos a exatamente uma semana da véspera de Natal, e por aqui já tá dando pra sentir o cheiro da ceia! E você, já sabe o que vai preparar para uma refeição especial e sustentável? 

Se quiser inspiração, os nossos voluntas te dão de monte! Vem ver: 

Para começar com o pé direito e muito sabor, o grupo de Brasília compartilhou a receita de uma torta de abóbora, que inclusive está em nosso ebook “Quarentena Sem Carne” <3

[Atenção: a próxima receita pode estar sujeita à piadas de tio]

Pavê Vegano (ou pavegano rs- eu avisei) de Belo Horizonte <3

Lasanha vegana de berinjela com bolonhesa de quinoa - Recife <3

Seitan ao molho madeira - Recife <3

 

Carne vegana - Zona da Mata Mineira <3

 

Chegamos ao último #TBT e capítulo dos girões de 2020. E claro que ele veio do grupo de Belo Horizonte, que se esforçou a beça no decorrer da semana para sempre valorizar os feitos dos membros do grupo e não deixar nenhuma das atividades caírem em nosso esquecimento. 

A lembrança de hoje é de 2017, quando os voluntas armaram uma barraca no Parque Municipal de Belo Horizonte Américo para apresentar o novo relatório do Greenpeace sobre agricultura brasileira e novos testes de alimentos, demonstrando como os agrotóxicos vão parar na mesa das famílias. 

Durante o evento rolou pintura em camisas, distribuição de desenhos para colorir e um descontraído bate papo com as pessoas que passavam pelo local.

E pra você que leu até aqui, muito obrigada por embarcar e se interessar por tantas coisas maravilhosas que nossos voluntários e voluntárias fizeram neste ano. 

Te encontro em 2021 para compartilhar mais 12 meses de mobilizações e esperança. 

Seguiremos atualizando e apoiando os grupos, afinal, estamos todes juntos nessa :)