A força do trabalho voluntário em 2019

Larissa Gambirazi • 20 Dezembro 2019
1 comentário
4 curtidas

Em um ano em que o Brasil foi marcado por desastres ambientais muitas pessoas colocaram a mão na massa para ajudar, inclusive vocês, nossos voluntários e voluntárias

Foto: Stefany Ryba / Grupo de voluntários do ABC Paulista

 

Em um ano em que o Brasil foi marcado por desastres ambientais que sensibilizaram o mundo, como o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), seguido das queimadas na Amazônia e o óleo nas praias do Nordeste, você, que faz do voluntariado do Greenpeace Brasil e que luta pela preservação ambiental, foi muito importante. 

E não foi apenas em desastres ambientais que vocês, voluntários e voluntárias, se mobilizaram. Ao longo do ano realizamos mais de 1.900 atividades, desde Pontos Verde, ações de limpeza como o Clean Up Day, plantios, Semana Sem Carne, mobilizações nacionais pelos povos indígenas, pelas abelhas, pela Amazônia, pelo clima e pelo Nordeste, e claro, sempre levando a educação ambiental para as pessoas com o Projeto Escola. Muito coisa, né?

"Ser voluntária em 2019,  como em qualquer ano que foi ou virá,  é sentir que posso e devo dar o próximo passo, pois vale a pena brigar pelo chão que pisamos, pelo ar que respiramos, pela água que bebemos, pela vida na Terra e pelo o planeta”, diz Patrícia Marques, voluntária do grupo de Goiânia (GO).

Em 2019, o grupo de Goiânia passou a fazer parte do time de voluntários do Greenpeace Brasil.

 

Separamos abaixo algumas atividades que vocês realizaram no último ano. Confira:

Mobilização em Solidariedade aos Povos Indígenas

Em abril, participamos da Mobilização em Solidariedade aos Povos Indígenas em 18 cidades. Levamos para às ruas informações sobre a importância de proteger as florestas e os povos indígenas e aproveitamos a coletar assinaturas para o abaixo-assinado Sem Floresta Sem VIda, em momento em que vemos as terras indígenas como alvo constante de invasões, desmatamento, grilagem e outros crimes ambientais, além da violência contra os próprios indígenas.

Voluntários de Brasília (DF) participam da Mobilização em Solidariedade aos Povos Indígenas. © Isadora Lima Rodrigues / Greenpeace

 

Mobilização Dia Mundial das Abelhas

As abelhas são muito importantes para o meio ambiente e todos os seres humanos já que elas são as rainhas da polinização e estão diretamente relacionadas à produção de alimentos. Mas, infelizmente, o reinado está sob ameaça, e o uso massivo de agrotóxicos é uma das principais causas da mortalidade das abelhas no planeta.

Preocupados com a situação, realizamos ações de conscientização, entre os dias 18 e 19 de maio, em 9 cidades das cinco regiões do país. As ações contaram com a coleta de assinaturas para o abaixo-assinado Salve as Abelhas, oficinas de stencil e distribuição de mudas e sementes de flores que atraem as abelhas, como lavanda, girassol e sálvia.

Voluntários realizam atividade sobre a importância das abelhas em Manaus (AM). © Vitória Araújo / Greenpeace

 

Semana Mundial Sem Carne 

Entre os dias 17 e 23 de junho, o Greenpeace, a Sociedade Vegetariana Brasileira e a Mercy for Animals promoveram a Semana Mundial Sem Carne e convidaram as pessoas a passarem uma semana sem consumirem produtos de origem animal e a refletirem sobre como nossos hábitos alimentares causam impactos na nossa saúde, no planeta e nos animais. E vocês também participaram desse desafio. 

Em São Paulo e Manaus, realizamos eventos de lançamento da Semana Mundial Sem Carne em ações recheadas de receitas vegetarianas, rodas de conversa sobre o tema, apresentações artísticas e, claro, degustação de comidas vegetarianas/veganas. 

Evento de lançamento da Semana Mundial Sem Carne na AV. Paulista em São Paulo (SP). © Tuane Fernandes / Greenpeace

 

#TodosPelaAmazônia

Sem floresta não tem: vida, comida, água, remédios, biodiversidade, chuva, ar puro, historia, esperança. Sem floresta não tem meio ambiente. Essas foram algumas das palavras citadas durante as manifestações em prol da Amazônia entre os dias 23 e 25 de agosto. As manifestações aconteceram em diferentes lugares do Brasil reunindo milhares de pessoas, dentre elas, voluntários e voluntárias do Greenpeace que estiveram presentes em 17 cidades. O movimento tinha um objetivo: exigir a proteção da maior floresta tropical do mundo, que sofreu com os grandes incêndios. 

Joana Prates, voluntária do grupo de Brasília (DF) que esteve presente na manifestação diz que saiu inspirada e motivada com tantas pessoas reunidas e preocupadas com o planeta. “Encontramos forças para lutar pela Amazônia e o meio ambiente juntos”, ressalta.   

Banners e faixas com mensagens de apoio a Amazônia marcaram as manifestações em Brasília (DF). © Felipe Vieira / Greenpeace

 

Luto Pela Amazônia 

No dia da Independência do Brasil (07 de setembro), nos vestimos de preto e aderimos ao movimento Luto Pela Amazônia. A mobilização contou, principalmente, com postagens nas redes sociais dos grupos locais e pessoais, além de algumas manifestações nas ruas. Ao todo estivemos em 12 cidades, sendo elas: São Paulo (SP), Macapá (AP), Salvador (BA), São Luís (MA), Brasília (DF), Imbé (RS), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Manaus, (AM), São João da Boa Vista (SP), Propriá (SE) e Belém (PA).

"Nesta mobilização vimos que não estávamos sozinhos enquanto a nossa Amazônia virava cinzas. Saímos a luta, em um protesto simbólico, pacífico e muito importante para a preservação ambiental”, diz Vitória Santos, voluntária do grupo do Litoral Norte - RS. 

Vitória Santos é voluntária do grupo do Litoral Norte (RS). © Raphael Rosa / Greenpeace

 

Greve Pelo Clima

No dia 20 de setembro, as ruas de várias cidades ao redor do mundo foram tomadas por cartazes, banners, gritos de ordem em defesa do planeta e milhões de jovens preocupados com a emergência climática que vivemos e que já afeta a vida de todos. E no Brasil não foi diferente. A Greve Global Pelo Clima aconteceu em diversos locais do país e reuniu milhares de pessoas, dentre elas, voluntários e voluntárias do Greenpeace que estiveram presentes em 16 cidades: São Paulo (SP), Bertioga (SP), São João da Boa Vista (SP), Porto Alegre (RS), Imbé (RS), Goiás (GO), Salvador (BA), Belo Horizonte (MG), Macapá (AP), São Luís (MA), Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Belém (PA), Recife (PE) e Manaus (AM).  

Voluntários de Salvador (BA) foram às ruas em defeisa do clima e do meio ambiente. © Eros Cohen / Greenpeace

 

Dia Mundial de Limpeza 

Milhares de pessoas de 169 países juntaram-se, em 21 de setembro, ao maior mutirão de limpeza de ruas, rios, praças, praias e mangues do mundo. O Dia Mundial da Limpeza ou World Clean Up Day, em inglês, é um movimento que acontece todos os anos e tem o objetivo de conscientizar a população do problema que é o descarte incorreto de lixo e as consequências para o meio ambiente.

No Brasil, estivemos em São Luís (MA), Porto Alegre (RS), Imbé (RS), São Paulo (SP), Bertioga (SP), São João da Boa Vista (SP), Belém (PA), Recife (PE), Salvador (BA), Macapá (AP) e Manaus (AM), e recolhemos toneladas de lixo durante a ação.

Voluntários de Bertioga (SP) participam do Dia Mundial da Limpeza. © Mar Franz / Greenpeace

 

As ações de limpeza são iniciativas que apoiamos e nossos voluntários as realizam com frequência. Só este ano, mais de 9,7 toneladas de lixo foram recolhidas em 34 atividades em diversas cidades do Brasil. 

 

Óleo no Nordeste

Em todo o Brasil, voluntários e voluntárias se solidarizam com o derramamento de óleo que ainda afeta a costa brasileira e prejudica o meio ambiente e a população local. Entre os dias 26 e 27 de outubro, nos mobilizamos em diversas partes do Brasil em um protesto pacífico em apoio ao Nordeste, além de pedirmos medidas eficazes de combate ao problema.

No Maranhão, um dos locais afetados, nossos voluntários de São Luís também realizaram a mobilização. © Victor Varão / Greenpeace

 

Também nos mobilizamos para ajudar a população nordestina a limpar, com o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), algumas praias que estão sendo afetadas pelas manchas de óleo. 

Voluntários de Salvador (BA) participam do mutirão de limpeza das manchas de óleo no dia 25/10

 

"A sensação causada pelo derramamento de óleo foi uma mistura de tristeza, indignação, desespero, mas também de esperança, pois muitas pessoas se engajaram na remoção daquele material tóxico que chegou às praias nordestinas”, relata Joyce Faria, voluntária do grupo de Recife (PE) que presenciou de perto o óleo que manchou a costa brasileira. “Eu vi população nordestina empenhada em tirar o máximo possível do óleo antes da maré subir. Eu vi lágrimas, correria, mobilização de pessoas e ONGs. Eu não apenas senti a dor daqueles semanas, eu vi a dor de perto e era uma dor coletiva”, conclui.

"'
“Eu vi lágrimas, correria, mobilização de pessoas e ONGs. Eu não apenas senti a dor daquelas semanas, eu vi a dor de perto e era uma dor coletiva”, diz Joyce Faria, voluntária do Greenpeace em Recife (PE). © Joyce Faria / Greenpeace

 

Projeto Escola

O Projeto Escola é uma das principais frentes de trabalho dos voluntários e voluntárias do Greenpeace Brasil. Diversos voluntários se dedicam a levar a educação ambiental e o conteúdo sobre as principais campanhas da Organização a públicos que vão desde crianças a idosos. 

Apenas neste ano, realizamos 120 palestras para mais de 32 mil pessoas, tratando de assuntos como: sustentabilidade, oceanos, plásticos, mudanças climáticas, Amazônia, energias renováveis, entre outros. 

Neste ano, o Projeto Escola levou a educação ambiental para quase 7 mil pessoas de todas as idades. © Grupo de voluntários de Brasília

 

"Esse trabalho me motiva e me inspira a levar o meu conhecimento para as salas de aula, para auditórios de empresas, universidades ou mesmo a debater sobre assuntos socioambientais com um grupo de pessoas onde quer que elas estejam”, diz Valdeci C. de Souza, voluntário de Porto Alegre que trabalha com o Projeto Escola desde 2012.

Valdeci C. de Souza é voluntário e palestrante do Projeto Escola desde 2012. © Valdeci C. de Souza / Greenpeace

 

O ano terminou, mas a luta continua...

2019 foi um ano intenso e trabalhoso principalmente para nossos voluntários e voluntárias que realizaram muitas atividades e mobilizações em busca de um mundo melhor, mais verde e justo, pensando nessa e nas futuras gerações. E em 2020, continuaremos empenhados em levar a mensagem e pedir pela preservação ambiental em todas as partes do Brasil. 

"Em 2020, espero mais união. Que as pessoas olhem mais para o planeta e para o meio ambiente. Não há um planeta B, precisamos cuidar do nosso e a hora é agora”, diz Vitória Araújo, voluntária de Manaus (AM). 

Muito obrigada por fazer parte do nosso time de voluntários por mais um ano! Sua ajuda tem sido extremamente importante para prosseguirmos nessa luta que é de todos nós.